Quem somos nós:

 

Projeto Político Institucional constitui-se num processo democrático de tomada de decisões; tem como objetivo organizar o trabalho da instituição na defesa de direitos das pessoas com deficiência intelectual, associada ou não a outra deficiência (deficiência múltipla) e Transtornos Globais do Desenvolvimento/autismo, através do atendimento especializado nas áreas da saúde, educação e assistência social.
Foi construído com o envolvimento de todos, pela discussão, análise e posicionamento e se organiza a nível político e institucional. Político porque intencionamos a formação de um determinado tipo de ser humano e sociedade; Institucional porque, técnica e administrativamente, efetivamos concepções de ação educativa centrada nos atendimentos:
• SAEDE – Serviço de Atendimento Educacional Especializado,
• SPE – Serviço de Atendimento Específico,
• Educação Profissional
• SAESP – Serviço de Atendimento Especializado
• Centro de Convivência
Por ser um projeto dinâmico, não está pronto e acabado, uma vez que supõe uma busca constante de alternativas viáveis à efetivação do trabalho da instituição, envolvendo estudos e pesquisas, a capacitação e o aperfeiçoamento técnico e administrativo dos serviços prestados.

Legislação

Balanço Social 2013

Estatuto da APAE de Florianópolis

Os Desafios da Inclusao Escolar

Estimulacao Essencial

Diretrizes da Educacao Especial

Normas Internas 2014

Histórico

  • Em 26 de agosto de 1964, tendo como local a escola SESC/SENAI, localizada à Rua Silva Jardim – Bairro Prainha, 41 pessoas, ligadas direta ou indiretamente ao problema da pessoa portadora de deficiência mental, constituíram a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Florianópolis.
  • Em 12 de setembro do mesmo ano foi constituída a primeira Diretoria, sendo eleito presidente o seu fundador, Professor Manoel Boaventura Feijó. Estava iniciada a história da APAE de Florianópolis.
  • A Diretoria Executiva foi formada por pais de deficientes mentais, com exceção do Professor César Luiz Pasold e do Sr. Dante Braz Limangi.
  • Em abril de 1968 foi instalada a primeira escola da APAE, situada à Rua Júlia Franco – Bairro José Mendes, atendendo 14 excepcionais. Esta escola recebeu o nome de Centro de Aprendizagem Rosana Luz, em homenagem à filha do Vice Presidente, Dr. Carlos Loureiro da Luz.
  • Em 1968 era esboçado o movimento de maior amplitude em favor da deficiência mental em nossa capital. Dele participaram professores, médicos, psicólogos, pais e amigos dos excepcionais, que resolveram enviar à Primeira Dama do Estado, Sra. Zilda Silveira, a quem competia enviar à Assembléia, a lei que aprovaria a criação da Fundação Catarinense de Educação Especial. Para seu primeiro Presidente foi convidado o Professor Manoel Boaventura Feijó, o qual ficou respondendo pela presidência da APAE e da Fundação, sendo o objetivo de ambas a reabilitação da pessoa portadora de deficiência mental. A APAE encerrou suas atividades e transferiu todos os seus alunos e pertences à Fundação.
  • Em 1973, por problemas de espaço físico para os deficientes adolescentes levantados pela Fundação e, visando um atendimento horti-granjeiro, a APAE criou o Centro Ocupacional localizado na Rua Geral do Itacorubi – s/n, com 17 alunos.
  • Após os 16 anos de presidência do Professor Manoel Boaventura Feijó, foi eleito e empossado para o biênio 1980/1982 o segundo Presidente, o Senhor Aldo Brito, que teve como objetivo reconstruir a APAE.
  • Para consecução dos fins a que se propôs, o Presidente pôde contar com a participação do Governo do Estado, da comunidade e da Diretoria, que uniram forças na reformulação de toda estrutura (técnica, administrativa e financeira) da Instituição. Inicialmente, realizaram um plano de construção física, reformularam o Estatuto e realizaram várias campanhas que elevaram consideravelmente o número de sócios. Após um ano, (em 26 de agosto de 1981) foi inaugurada a primeira etapa de construção, com 319 m2. Em homenagem ao fundador e primeiro presidente, o centro ocupacional da APAE recebeu o seu nome: Centro Ocupacional “Professor Manoel Boaventura Feijó”.
  • Ao término do referido biênio, o Presidente Sr. Aldo Brito e a Diretoria são reeleitos e empossados para o biênio 1982/1984. Neste período foram construídos mais 384 m2.
  • No início de 1984 acontece a organização e lançamento da Feira da Esperança Ano I, evento filantrópico anual para arrecadar fundos para a Instituição, tendo à frente a Sra. Lyarita Moritz Fullgraff. Constitui-se uma coordenação para a Feira, funcionando independente da Diretoria da APAE.
  • Em 03 de agosto de 1984 é eleita uma nova Diretoria para o biênio 1984/1986, tendo como Presidente o Sr. Luiz Alberto Silva, que foi reeleito mais duas vezes, ficando à frente da Instituição até abril de 1990. Durante este período a escola é ampliada, ganhando mais um bloco de salas de aula e uma quadra de esportes. No dia 14 de janeiro de 1985, o Centro Ocupacional passa a ser denominado Instituto de Educação Especial “Professor Manoel Boaventura Feijó”.
  • Em 1984 a escola já possui 80 educandos. Seu corpo técnico é composto por 01 médico, 01 assistente social, 01 pedagoga, 01 psicóloga e 01 dentista.
  • A Diretoria empossada em agosto de 1984 prioriza a contratação de novos técnicos, como fonoaudiólogo e fisioterapeuta; recebe também, através convênio da Fundação Catarinense de Educação Especial, mais 01 pedagoga e 01 professor de Educação Física.
  • Em 1990 assume nova Diretoria, tendo como Presidente a Sra. Elizenia Prado Becker, que fica à frente do movimento apaeano de Florianópolis até 1994. Durante sua gestão foi construída 01 piscina terapêutica e 01 apartamento (que serve como moradia ao caseiro da escola). Nas gestões da Sra. Elizenia é obtida, do Governo do Estado, posse de um terreno anexo à escola (com área de 8.000 m2) para ampliação da Instituição e construção de 01 pavilhão com 2.190 m2 para realização da Feira da Esperança.
  • Em abril de 1994 ocorre eleição para nova Diretoria, voltando assim o Sr. Aldo Brito, que fica à frente do movimento até abril de 1998.
  • Em 1996 – é promovida a 1ª Colônia de Férias. Por intercessão dos pais Rooney das Neves (oficial da Aeronáutica), e sua esposa Elizabeth Teresa Donato das Neves a APAE assina convênio com a Base Aérea de Florianópolis, sob o comando do coronel Malmestron, para firmar a cessão de suas instalações e apoio ao evento.
  • Em 1997 – tendo como presidente no Sr. Aldo Brito é criado o Telemarketing (serviço este que veio trazer outra fonte de recursos para manutenção da Instituição) e construída uma área de 300 m2 (01 auditório, 01 oficina de marcenaria e salas de aula).
  • Em abril de 1998 volta à Presidência a Sra. Elizênia Prado Becker, que exercerá suas funções até abril de 2002.
  • Em 1998 – é elaborado o projeto para construção das Casas Lares;
  • Em 2000 – é inaugurada a primeira Casa Lar, de um projeto de 06 unidades, devendo nesse ano iniciar-se com atendimento de internato. Foi instalado o Serviço de Equoterapia em parceria com o Centro de Equoterapia de Florianópolis.
  • Em 2001 – a área construída foi de 410 m2, o que acarretará na melhora das instalações do Telemarketing, salas para os técnicos, 01 brinquedoteca, 01 sala de informatização, 01 sala de artes, 01 sala de pintura para marcenaria e mais 04 salas de aula. A frota de veículos da escola foi ampliada e reformulada com a compra de 02 (dois) ônibus e 01 (um) mini ônibus. Em maio de 2002 foi criado o Centro de Reabilitação.
  • No dia 10 de junho de 2002, nova Diretoria assumiu a instituição, tendo como Presidente a Sra. Ana Lúcia de Andrade, que é reeleita em 13 de janeiro de 2005, cumprindo seu mandato até 12 de janeiro de 2007. Alteração de biênio para triênio do mandato da diretoria.
  • Em 2003 – Novos Convênios: 1) Voluntários em Ação – oferecendo campo a voluntários da área de odontologia, educação, informática, serviços de cozinha, psicologia, fisioterapia clinica, administração e serviços gerais. 2) CIFE – Centro de Integração Empresa Escola: contratação de estagiários para a área administrativa. 3) Central de Penas Alternativas – ministério da Justiça – Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania – propôs campo de prestação de serviços a apenados encaminhados pela Vara de Execuções Criminais. 4) Banco do Brasil S/A – formação de “Aprendizes em Serviços Bancários” promovendo o desenvolvimento pessoal e profissional de adolescentes parentes de seus educandos, bem como outros adolescentes do município.
  • Em 2004 – Convênio com EJA – Educação para Jovens e Adultos – através de encaminhamento de pessoas portadoras de deficiência intelectual maiores de 14 anos, proporcionando sua inclusão. SENAI – curso profissionalizante.
  • A partir de 2004 iniciou-se o processo de reestruturação da área administrativa, o que culminou com a criação de uma Direção Geral, Gerência Administrativa, Gerência Financeira e Gerência de Recursos Humanos que, juntamente com a Direção Técnica compõem a Equipe Diretiva da APAE.
  • Em 2005 – aquisição de 02 mini ônibus, alguns equipamentos e construção de uma área de 100m².
  • 2006 – Foi dada continuidade ao processo de inclusão total de nossos educandos na rede regular de ensino. Foi criado o Centro Sócio Ocupacional e no atendimento de saúde iniciou-se a negociação para efetivar o convênio com a Secretaria de Saúde do Estado.
  • Em 13 de janeiro de 2007 – tem início o mandato da nova diretoria eleita para o Triênio 2007-2010, tendo como presidente a Sra. Arlete das Graças Torri.
  • Em 01 de janeiro de 2011 – diretoria foi reeleita para triênio 2011 -2013, continuando na presidência a Sra. Arlete das Graças Torri.